Opinião: Tatuagens

Imagem encontrada no We ♥ It
Hey hey, minhas lindas! Passei esses três dias sem postar porque foi meio corrido. Fui no hospital hoje porque estou com uma alergia na perna e precisei ir atrás de tratamento. :/ Mas estou de volta!
Bom, hoje resolvi falar um pouco de algo que eu amo de paixão: Tatuagens! Caaaaara, sou apaixonada por tatuagens e tatuados(as)! Mas tem gente que eu vejo que acaba fazendo uma tatuagem pelos motivos errados e acaba se arrependendo depois, sem ter a opção de tirar, afinal é caro pra dedéu e fica uma cicatriz muito feia! Então resolvi contar a vocês, em minha opinião, as questões que deveriam te impedir ou te impulsionar a fazer uma tatuagem, pra que não se arrependa depois.

Texto: E Se?

Imagem retirada do We ♥ It
Por muito tempo passou pela minha cabeça a seguinte dúvida: "E se eu for apenas um personagem de um livro?". Sei que estou aqui, eu vivo, eu falo, eu penso, mas e se, em seu poder desconhecido, o autor do livro não deu vida ao mesmo, mas apenas para ver sua história acontecendo como num filme, só que fiel a cada virgula, a cada ponto? Ou talvez sejamos apenas fruto da imaginação do mesmo, ou de quem lê a história, ou a ouve. Mas o que mais me assusta é pensar que eu posso ser apenas uma figurante. Uma vida paralela que acontece por acontecer e que não faz a mínima diferença, está ali apenas por estar, pra fazer número. Eu não escolho, eu não penso, eu sou o que sou porque me escreveram e pode ser que tenham escrito minha vida toda só pra fazer sentido uma única cena, onde eu posso falar um oi, ou apenas passar no canto da tela, numa estação de trem repleta de gente, por exemplo, e mal ser notada. 
Mesmo que eu seja a personagem principal, que teria minha vida de tão interessante? Será que é uma série de livros? Será que é só um? Será que o clímax da história ainda está pra acontecer? E se essa história toda não é um romance, mas sim um livro que um pai lê pra sua filha antes de ela dormir só para lhe dar sono? Se eu teoricamente não penso, porque estou aqui, escrevendo isso? Uma artimanha do autor, para dar entrada a parte mais interessante da história, onde eu enlouqueço com a crise existencial e parto numa busca incessante por quem me escreveu? Que bizarro. Que estranho! É estranho e ruim pensar que eu posso morrer de uma forma trágica, talvez, e não ter escapatória por não ser eu quem faço minha história, por não ser eu quem faço minhas escolhas. Será possível? E se não fosse, será que eu saberia? Vai saber o poder que tal autor tem? Eu é que não acho que eu seria capaz de descobrir a verdade. Ele não quer que eu descubra não é? E ele é quem escreve minha história! Se ele quiser que amanhã eu acorde com amnésia, assim será e eu vou achar que nada nunca aconteceu! Vai saber? Acho eu que, se esse livro conta quem eu sou, meu autor vai falir, por que minha vida não é lá essas coisas. A não ser que eu viva numa realidade idealizada com todos vocês que me rodeiam, e minha vida seja, aos olhos do undo real, uma loucura, uma coisa revolucionária, ou então o fim da humanidade, o extremo da depreciação da vida, da banalização de o que quer que seja, da perda de valores. Quem sabe? Assim como pode ser, também, que essa droga toda seja apenas um rascunho! Ai o autor apaga e caímos em pleno esquecimento! Pensamento ruim? Talvez, mas a verdade é que se eu estiver certa não faremos diferença nenhuma nesse tal mundo onde o autor vive. Nossa "morte", ou seja, o ato de se desfazerem do rascunho, não interferirá na vida de ninguém lá, e nós aqui simplesmente deixaremos de existir sem termos plena consciência disso. 
A verdade mais assustadora é que, mesmo que nossa existência não tenha nada a ver com um livro escrito por seres que não conhecemos, nós não fazemos diferença. Se um de nós morre a vida lá fora continua. Eu não consigo imaginar o mundo sem mim, mas ele existiria sem dificuldades de adaptação. Se eu não existisse ninguém sentiria minha falta. Veja bem, se um ente querido seu morreu há mais de 3 anos, você pode ainda ver as cicatrizes que isso deixou em cada um, mas a vida de todo mundo continuou, a sua continuou. O mundo não para. A vida não para. Nada para. E acho que é por isso que é bom acreditar em Deus. Talvez essa seja uma frase de mão cheia para ateus e defensores do "acaso", mas a verdade é essa! É bom acreditar em Deus, porque isso te faz se sentir importante. Ninguém do mundo vai dar falta de você, mas diz a Bíblia que Ele vai. Eu acredito na existência dEle independente disso, mas é bom, mesmo assim, não se sentir tão descartável. Eu não posso provar, assim como ninguém pôde, que Deus existe. Não de forma concreta e visível para que ninguém duvide. Mas é muito melhor acreditar nEle, do que acreditar que não importa quem você seja, para o universo todo você não faz diferença.
por Ana Giulia Morellato

Floral Rocker!

Imagens retiradas do We ♥ It
Hey, hey, minhas lindas! Sim, vocês leram direito. Hoje eu resolvi mostrar pra vocês como se mistura o girlie  floral clássico com o estilo rocker! Esse post me veio na cabeça depois de ler sobre o uso do floral girlie no blog da linda da Fê (MNQ).

2013: 1 Livro por Mês

Essa imagem foi retirada do We ♥ It
Eu estive passeando por vários blogs conhecidos e vi que todo mundo fez uma lista de algo que quer fazer em 2013. Eu resolvi fazer algo parecido, mas com os livros que já li, e gostei, e recomendo à você. Separados por mês, você verá os 12 livros que devem fazer parte da sua estante de memórias neste novo ano. Vamos lá?

Namore Uma Garota Que Lê

Foto retirada do We ♥ It

Namore uma garota que gasta seu dinheiro em livros, em vez de roupas. Ela também tem problemas com o espaço do armário, mas é só porque tem livros demais. Namore uma garota que tem uma lista de livros que quer ler e que possui seu cartão de biblioteca desde os doze anos. Encontre uma garota que lê. Você sabe que ela lê porque ela sempre vai ter um livro não lido na bolsa. Ela é aquela que olha amorosamente para as prateleiras da livraria, a única que surta (ainda que em silêncio) quando encontra o livro que quer. Você está vendo uma garota estranha cheirar as páginas de um livro antigo em um sebo? Essa é a leitora. Nunca resiste a cheirar as páginas, especialmente quando ficaram amarelas. Ela é a garota que lê enquanto espera em um Café na rua. Se você espiar sua xícara, verá que a espuma do leite ainda flutua por sobre a bebida, porque ela está absorta. Perdida em um mundo criador pelo autor. Sente-se. Se quiser ela pode vê-lo de relance, porque a maior parte das garotas que leem não gostam de ser interrompidas. Pergunte se ela está gostando do livro. Compre para ela outra xícara de café. Diga o que realmente pensa sobre o Murakami. Descubra se ela foi além do primeiro capítulo da Irmandade. Entenda que, se ela diz que compreendeu o Ulisses de James Joyce, é só para parecer inteligente. Pergunte se ela gosta ou gostaria de ser a Alice. É fácil namorar uma garota que lê. Ofereça livros no aniversário dela, no Natal e em comemorações de namoro. Ofereça o dom das palavras na poesia, na música. Ofereça Neruda, Sexton Pound, cummings. Deixe que ela saiba que você entende que as palavras são amor. Entenda que ela sabe a diferença entre os livros e a realidade mas, juro por Deus, ela vai tentar fazer com que a vida se pareça um pouco como seu livro favorito. E se ela conseguir não será por sua causa. É que ela tem que arriscar, de alguma forma. Minta. Se ela compreender sintaxe, vai perceber a sua necessidade de mentir. Por trás das palavras existem outras coisas: motivação, valor, nuance, diálogo. E isto nunca será o fim do mundo.Trate de desiludi-la. Porque uma garota que lê sabe que o fracasso leva sempre ao clímax. Essas garotas sabem que todas as coisas chegam ao fim. E que sempre se pode escrever uma continuação. E que você pode começar outra vez e de novo, e continuar a ser o herói. E que na vida é preciso haver um vilão ou dois. Por que ter medo de tudo o que você não é? As garotas que leem sabem que as pessoas, tal como as personagens, evoluem. Exceto as da série Crepúsculo. Se você encontrar uma garota que leia, é melhor mantê-la por perto. Quando encontrá-la acordada às duas da manhã, chorando e apertando um livro contra o peito, prepare uma xícara de chá e abrace-a. Você pode perdê-la por um par de horas, mas ela sempre vai voltar para você. E falará como se as personagens do livro fossem reais – até porque, são mesmo. Você tem de se declarar a ela em um balão de ar quente. Ou durante um show de rock. Ou, casualmente, na próxima vez que ela estiver doente. Ou pelo Skype. Você vai sorrir tanto que acabará por se perguntar por que é que o seu coração ainda não explodiu e espalhou sangue por todo o peito. Vocês escreverão a história das suas vidas, terão crianças com nomes estranhos e gostos mais estranhos ainda. Ela vai apresentar os seus filhos ao Gato do Chapéu [Cat in the Hat] e a Aslam, talvez no mesmo dia. Vão atravessar juntos os invernos de suas velhices, e ela recitará Keats, num sussurro, enquanto você sacode a neve das botas. Namore uma garota que lê porque você merece. Merece uma garota que pode te dar a vida mais colorida que você puder imaginar. Se você só puder oferecer-lhe monotonia, horas requentadas e propostas meia-boca, então estará melhor sozinho. Mas se quiser o mundo, e outros mundos além, namore uma garota que lê. Ou, melhor ainda, namore uma garota que escreve.
Texto original: Date a girl who reads – Rosemary Urquico Tradução e adaptação – Gabriela Ventura Fonte: Arquivos Olimpianos.

Música do Dia - Especial de Sábado

Imagem retirada do We ♥ It
Como todos sabem (ou deveriam saber) eu sou adventista do 7º dia, e nós adventistas guardamos o sábado e por isso meu post da música do dia de sábado (deveria ser de sábado, mas eu me atrasei, desculpem-me!) será um pouco diferente. 

Vida de Internato

Foto por Leandro Franco, publicitário e fotógrafo. - Giulianna Félix e amigas em quarto do dormitório feminino do UNASP Campus 2 (Engenheiro Coelho - SP)
Acho que todo mundo já ouviu falar de Internato, mas com outro nome: Reformatório. Quando eu decidi ir para o IASP (Internato Adventista em Hortolândia - SP), a parte não adventista da minha família achou que era loucura eu querer ir morar num reformatório, mas Internato e Reformatório são coisas bem diferentes. O reformatório é quase uma FEBEM, feita para adolescentes problemáticos. Tem regras mais rígidas do que o normal e o objetivo é literalmente reformar o adolescente. O internato tem outra visão. Você está lá pra estudar, se divertir, fazer amigos, se tornar mais responsável e ter uma noção de como é dividir a casa (ou o quarto) com amigas. É quase como morar sozinha.